segunda-feira, 20 de agosto de 2012

GUARDA CIVIL METROPOLITANA USA ARMAS OBSOLETAS


FERNANDO GRANATO
A GCM (Guarda Civil Metropolitana) de São Paulo utiliza armamentos obsoletos dos anos 1990. São revólveres calibre 38, adquiridos ainda na gestão da prefeita  Luiza Erundina (1989-1992).
A afirmação é do presidente do SindGuardas-SP (Sindicato dos Guardas Civis Metropolitanos de São Paulo), Angelino Venerando Filho. “A GCM está sucateada, enquanto a Secretaria Municipal de Segurança Urbana gasta R$ 112 milhões por ano para manter um convênio com a Polícia Militar para fazer aquilo que ela poderia fazer gratuitamente”, afirmou. “Esse dinheiro deveria ser utilizado para aumentar o efetivo da GCM e aparelhar melhor a Guarda Metropolitana”, diz.
A segurança urbana é a segunda maior preocupação do paulistano, segundo pesquisa do Datafolha. De acordo com a pesquisa, 16% dos entrevistados apontaram esse como sendo o principal problema da cidade, só perdendo para a saúde, destacada por 26% das pessoas.
De acordo com Siderley Lima, consultor em segurança e autor do “Manual Básico do Instrutor de Armamento e Tiro”, o revólver calibre 38 não é  a melhor opção para utilização policial, tanto que foi substituído por pistolas pela Polícia Militar.
“Esse tipo de arma tem menor capacidade de tiros, se  comparado com as pistolas”, disse. “São armamentos obsoletos para utilização policial.”
Além das armas superadas, a GCM estaria com dificuldades até para adquirir novas fardas para os guardas, segundo Venerando Filho.
“O dinheiro gasto pela Prefeitura de São Paulo com o ‘bico oficial’ de policiais militares, que trabalham em dias de folga para a administração municipal, daria para quase dobrar o efetivo da Guarda Civil Metropolitana”, afirmou o presidente do sindicato.
O “bico oficial” a que se refere Venerando é a chamada Operação Delegada, convênio com a Polícia Militar, de responsabilidade do governo do estado. Os PMs atuam, sobretudo, no combate ao comércio de rua em todas as regiões da cidade. Cerca de quatro mil PMs trabalham atualmente na atividade, com fardas, viaturas, armas e colete da corporação. A escala também é definida pela PM.

Para o presidente do sindicato, a transferência de responsabilidade desvaloriza o guarda municipal. “Os oficiais e praças da GCM se sentem desprezados pela Prefeitura”, disse. De acordo com ele, a PM recebe “uma fortuna” da Prefeitura, enquanto a guarda criada para o município estaria sucateada. “Se você for a uma base da GCM vai ter nojo de entrar”, disse.
A Secretaria Municipal de Segurança Urbana disse, que desde 2005, a remuneração média dos guardas aumentou em 93%. “Quanto aos armamentos, são compatíveis com as necessidades da GCM, inclusive alguns integrantes  utilizam pistolas modelo .380”, disse a secretaria.
Diário de S. Paulo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário